A Indicação do Vereador para a criação de informativos de cuidados na quarentena, protocolada em março, demorou cinco meses para ir para a sessão da Câmara

Foto: Assessoria

Nesta segunda-feira, 10 de agosto, após exatos 129 dias da data do primeiro óbito por Covid-19 em Lucas do Rio Verde, foi para a pauta da sessão da Câmara de Vereadores a Indicação 29/2020 do vereador Marcos Paulista, protocolada em 17 de Março e que esteve engavetada desde então, por nada menos que cinco meses.

Em março, após retornar com sua equipe de Cuiabá e ver como a capital estava lidando com as contaminações por Coronavírus, o vereador Marcos Paulista, já antecipando os próximos meses de pandemia, protocolou duas indicações, uma delas, ainda na gaveta, indica a compra de EPI’s e álcool em gel para os servidores da saúde, a segunda, pautada esta semana, trata da criação de informes relacionados ao Coronavírus, mais especificamente, voltados para as famílias com membros idosos ou com problemas respiratórios que estiverem em quarentena.

O Coronavírus já é a maior causa de mortes em Mato Grosso, porém em março, data da redação das indicações do vereador, Lucas do Rio Verde não tinha tido nem mesmo o primeiro óbito, ocorrido apenas em 03 de abril.

Para o vereador Marcos Paulista, a demora em pautar não apenas suas indicações, mas também diversos projetos de lei, tem como único objetivo fazer política e evitar a perda de credibilidade por falta de atitude, “a árvore que dá fruto sempre leva pedrada”, afirma Paulista, indignado, “uma indicação tão importante como esta, que poderia ter salvo a vida de várias pessoas dentro da mesma família, que, durante o período de quarentena, não conseguiram evitar a contaminação dos outros membros! As pessoas sofreram ainda mais por conta disso, por essa ausência de informação, e precisava disso? Dessa politicagem? Temos que cuidar é do povo, e não de interesses pessoais ou de seu grupo político. Eu, pessoalmente, me importo mais é com as pessoas”.

Informações: Assessoria do vereador.